Bem vindo(a), os 20 primeiros usuários, cadastrados, têm o direito de serem moderadores. Para isso acontecer, candidate-se na Staff, ou entre em contato comigo!

Últimos assuntos

» Quem sou eu...
Dom Mar 15, 2009 1:54 am por .::Jason Bourne::.

» "Resident Evil 5" terá modo Mercenaries online, diz site
Dom Mar 15, 2009 1:36 am por .::Jason Bourne::.

» God of War III ganha site oficial
Dom Mar 15, 2009 1:34 am por .::Jason Bourne::.

» God of war 1 Ps2 Detonado
Dom Mar 15, 2009 1:31 am por .::Jason Bourne::.

» God of war 2 - PlayStation 2 Detonado
Dom Mar 15, 2009 1:26 am por .::Jason Bourne::.

» Bully – Detonado
Dom Mar 15, 2009 1:17 am por .::Jason Bourne::.

» Regras deste Fórum
Ter Fev 24, 2009 10:55 pm por LuCaS-Master

» Análises - Com opiniões resumidas
Ter Fev 24, 2009 10:29 pm por LuCaS-Master

» Nasa, agencia espacial esta desenvolvendo um jogo. Leia mais...
Ter Fev 24, 2009 6:14 pm por Armaggerdon

Conectar-se

Esqueci minha senha

Navegação


    Crysis Warhead *****Perfeito para jogar!

    Compartilhe

    Votação

    Tem? Gostou?

    [ 1 ]
    100% [100%] 
    [ 0 ]
    0% [0%] 
    [ 0 ]
    0% [0%] 

    Total dos votos: 1
    avatar
    LuCaS-Master
    Webmaster
    Webmaster

    Número de Mensagens : 20
    Data de inscrição : 29/12/2008

    Crysis Warhead *****Perfeito para jogar!

    Mensagem por LuCaS-Master em Dom Jan 04, 2009 5:59 pm


    Crysis Warhead

    Gráficos: Five Stars
    Jogabilidade: Five Stars

    Diversão: Five Stars
    Som: Five Stars
    V.P.: Five Stars

    Total: 10.0 = Five Stars





    Uma experiência expandida

    Crysis, shooter de grande sucesso produzido pela Crytek, chegou ao mercado no “ano dos jogos de tiro”, em novembro de 2007, competindo com outros títulos de peso e se destacando inquestionavelmente nos níveis de realismo gráfico até então inéditos no PC. A Crytek na época anunciou que Crysis seria uma trilogia (como de fato será), todavia Crysis Warhead não é a segunda parte do original, mas sim um pacote de expansão independente, que não requer o jogo anterior instalado.

    O enredo já evidencia que Warhead não pretende avançar na história onde o último parou, mas sim, aprofundá-la, dando uma perspectiva paralela aos eventos e permitindo que o jogador reviva ótimos momentos do jogo anterior, expandindo a experiência em si. Basicamente, tudo gira em torno da captura e proteção de uma espécie alienígena que os norte-coreanos tem sob o seu poder. O foco agora está no impulsivo Psycho, personagem com mais carisma, mais profundidade e mais identificação com o jogador do que o insosso Nomad, do primeiro game. É o típico caso em que o personagem nos surpreende indo além dos estereótipos já estabelecidos no próprio nome, mostrando nuances e dilemas morais que o tornam mais humano.


    Gráficos otimizados

    É claro que o segundo título perdeu um pouco daquele primeiro impacto com seus gráficos estonteantes, mas continua impressionando em vários aspectos visuais. Estes continuam sendo um marco para os jogos de vídeogame. O cenário destrutível se mescla com a batalha de uma maneira muito divertida graças à física, afinal não há nada melhor do que jogar uma bomba em uma torre onde se encontra um sniper e vê-la explodir aos pedaços ou mesmo colocar abaixo uma casa com inimigos dentro. A famosa transformação da ilha paradisíaca em um verdadeiro “iceberg” está mais realista, gerando os visuais mais deslumbrantes (e pesados) do jogo. E por falar em consumo de hardware, Crysis Warhead foi otimizado para rodar em computadores mais modestos (que foi uma das grandes críticas ao jogo anterior), entretanto, para jogar nas qualidades mais refinadas é indispensável um computador de ponta, demonstrando que os melhores gráficos que o jogo pode oferecer ainda não estão acessíveis para todos.

    As cinemáticas deram um salto importante de qualidade, tornando-se muito mais interessantes do que o jogo original, trabalhando em favor da narrativa e gerando momentos emocionais. Se mal nos lembramos de quem foi Nomad, aqui é difícil esquecer-se de Psycho.


    Mais intensidade e ação

    Uma das observações feitas em nossa review anterior era que havia em Crysis grandes espaços e poucas missões. Esse aspecto foi levado em conta pelos desenvolvedores. Warhead está mais intenso e focado na ação desenfreada. Basicamente duas mudanças são perceptíveis de cara: 1) o jogo está mais orientado (mesmo que os cenários sejam grandes, o jogador é sempre conduzido para o centro da ação); 2) há uma quantidade bem maior de inimigos, o que torna os combates inevitavelmente mais intensos e emocionantes, obrigando o jogador a enfrentar em alguns momentos diversas ondas de inimigos, artifício muito utilizado no gênero para dar intensidade.

    O radar e o mapa tático continuam muito úteis para a navegação, mostrando o risco de detecção, setas representando as pessoas e a direção em que estão olhando, cores mostrando o estado de alerta dos inimigos e também pontos de interesse e veículos. Está mais fácil e intuitivo de achar os pontos de interesse no mapa.

    Combata usando vários estilos

    O inconfundível Nanotraje não sofreu nenhuma modificação e é o grande auxílio do jogador para vencer os adversários, usando-se de diferentes estratégias que garante força, velocidade, defesa melhorada e camuflagem (invisibilidade) temporária. Com tantas possibilidades ao lado do jogador, Crysis Warhead se torna um jogo muito fácil, a não ser que se selecione a dificuldade máxima para um desafio e diversão maiores. O nível máximo de dificuldade torna, por exemplo, o combate com os inimigos mais equilibrados, já que não podemos saber onde eles estão pelo radar. Com a ajuda de uma refinada inteligência artificial, os inimigos vão se organizar e caçar o jogador, normalmente movendo-se muito discreta e traiçoeiramente. Os alienígenas também receberam atenção especial, estão mais espertos, possuem movimentos bruscos e inesperados, e se aproximam sempre com variedade de número e tamanho – há até algumas batalhas épicas com aliens gigantes.

    Algumas outras adições foram feitas, como é comum em uma expansão, entre elas, dois veículos, um Hovercraft (anfíbio muito versátil para o transporte) e um ASV blindado. Nas armas, temos as novas AY69, uma micro-metralhadora de curto alcance e com altíssima taxa de disparo para literalmente peneirar o inimigo e o FGL40, um lança-granadas automático que pode ser usado também como detonador remoto. Tudo isso é embalado por uma série de batuques de percussão que encaixou muito bem na ação do game, diferenciando assim do arranjo orquestral constante do game anterior.

    A expansão também veio com alguns irritantes bugs já conhecidos, como cair em determinado lugar e ficar travado, morrer porque esbarrou em um barril, ou entrar em um lugar cheio de objetos e morrer – mas mesmo assim Crysis Warhead está bem mais polido que seu antecessor. Infelizmente, o jogo é um tanto curto, bastando, com muita exploração, menos de 8 horas para finalizar a campanha solo. Mas o que compensa é que Warhead pode ser jogado mais de uma vez com diferentes estratégias, caminhos e dificuldades. E para quem enjoar da campanha, há ainda o multiplayer.


    Multiplayer renovado e mais atrativo

    Ao abrir a caixa do game, nos deparamos com 2 DVDs, sendo que um deles é apenas para a instalação do multiplayer, o Crysis Wars. O jogador encontrará novamente o modo Power Struggle, no qual é preciso dominar pontos estratégicos do mapa para liberar recursos como armas e veículos, a fim de destruir o quartel do inimigo. Alguns dos itens deste modo são bastante caros e vão obrigar o jogador a se dedicar por algumas horas. Também está presente o modo Deathmatch (chamado de Instante Action), que permite uma partida intensa com combate imediato em até 32 jogadores sem intervalo para ressuscitar. A principal novidade fica então para um modo de jogo que inexplicavelmente faltava no jogo anterior, o Team Deathmatch que é o combate imediato em equipes.

    Há meia dúzia de mapas novos e alguns deles são estupidamente grandes e repletos de veículos; foram também adicionadas armas exclusivas como o Lançador TAC (dispara um míssil nuclear em miniatura que causa uma grande devastação), Acelerador Molecular (fragmentos de gelo), Dispositivo Aprisionador Molecular (uma versão mais forte do que o anterior); para roubar os veículos do inimigo existe o Destravador Eletrônico, e para consertar os veículos danificados o Maçarico. Apesar do rebalanceamento geral que foi feito no jogo, notamos desequilíbrios entre algumas armas, tornando algumas fracas demais em relação a outras. Ainda assim, o multiplayer está muito divertido e há uma quantidade bem maior de jogadores brasileiros.


    Tentativa certeira

    A Crytek acertou em cheio ao ouvir as críticas e ler as reviews (inclusive a da GB) do primeiro, para então produzir uma expansão que aproveita não apenas tudo o que jogo anterior tinha de melhor, como apresentar um game mais lapidado, intenso e orientado para a ação, um verdadeiro upgrade na franquia. É claro que, como expansão e não um jogo completo, Warhead é curto demais e deixa a sensação nostálgica de: só isso? Mas a grande vantagem é que pode ser jogado mais de uma vez com diferentes táticas, além de um sólido multiplayer com mapas gigantescos, capaz de entreter por meses.

    Esperemos então com muita expectativa a segunda parte da trilogia Crysis, que se for feita nos moldes de Warhead, deverá ter competência suficiente para continuar no topo.



    Uma experiência expandida

    Crysis, shooter de grande sucesso produzido pela Crytek, chegou ao mercado no “ano dos jogos de tiro”, em novembro de 2007, competindo com outros títulos de peso e se destacando inquestionavelmente nos níveis de realismo gráfico até então inéditos no PC. A Crytek na época anunciou que Crysis seria uma trilogia (como de fato será), todavia Crysis Warhead não é a segunda parte do original, mas sim um pacote de expansão independente, que não requer o jogo anterior instalado.

    O enredo já evidencia que Warhead não pretende avançar na história onde o último parou, mas sim, aprofundá-la, dando uma perspectiva paralela aos eventos e permitindo que o jogador reviva ótimos momentos do jogo anterior, expandindo a experiência em si. Basicamente, tudo gira em torno da captura e proteção de uma espécie alienígena que os norte-coreanos tem sob o seu poder. O foco agora está no impulsivo Psycho, personagem com mais carisma, mais profundidade e mais identificação com o jogador do que o insosso Nomad, do primeiro game. É o típico caso em que o personagem nos surpreende indo além dos estereótipos já estabelecidos no próprio nome, mostrando nuances e dilemas morais que o tornam mais humano.


    Gráficos otimizados

    É claro que o segundo título perdeu um pouco daquele primeiro impacto com seus gráficos estonteantes, mas continua impressionando em vários aspectos visuais. Estes continuam sendo um marco para os jogos de vídeogame. O cenário destrutível se mescla com a batalha de uma maneira muito divertida graças à física, afinal não há nada melhor do que jogar uma bomba em uma torre onde se encontra um sniper e vê-la explodir aos pedaços ou mesmo colocar abaixo uma casa com inimigos dentro. A famosa transformação da ilha paradisíaca em um verdadeiro “iceberg” está mais realista, gerando os visuais mais deslumbrantes (e pesados) do jogo. E por falar em consumo de hardware, Crysis Warhead foi otimizado para rodar em computadores mais modestos (que foi uma das grandes críticas ao jogo anterior), entretanto, para jogar nas qualidades mais refinadas é indispensável um computador de ponta, demonstrando que os melhores gráficos que o jogo pode oferecer ainda não estão acessíveis para todos.

    As cinemáticas deram um salto importante de qualidade, tornando-se muito mais interessantes do que o jogo original, trabalhando em favor da narrativa e gerando momentos emocionais. Se mal nos lembramos de quem foi Nomad, aqui é difícil esquecer-se de Psycho.
    avatar
    LuCaS-Master
    Webmaster
    Webmaster

    Número de Mensagens : 20
    Data de inscrição : 29/12/2008

    Re: Crysis Warhead *****Perfeito para jogar!

    Mensagem por LuCaS-Master em Dom Jan 04, 2009 6:00 pm

    Mais intensidade e ação

    Uma das observações feitas em nossa review anterior era que havia em Crysis grandes espaços e poucas missões. Esse aspecto foi levado em conta pelos desenvolvedores. Warhead está mais intenso e focado na ação desenfreada. Basicamente duas mudanças são perceptíveis de cara: 1) o jogo está mais orientado (mesmo que os cenários sejam grandes, o jogador é sempre conduzido para o centro da ação); 2) há uma quantidade bem maior de inimigos, o que torna os combates inevitavelmente mais intensos e emocionantes, obrigando o jogador a enfrentar em alguns momentos diversas ondas de inimigos, artifício muito utilizado no gênero para dar intensidade.

    O radar e o mapa tático continuam muito úteis para a navegação, mostrando o risco de detecção, setas representando as pessoas e a direção em que estão olhando, cores mostrando o estado de alerta dos inimigos e também pontos de interesse e veículos. Está mais fácil e intuitivo de achar os pontos de interesse no mapa.

    Combata usando vários estilos

    O inconfundível Nanotraje não sofreu nenhuma modificação e é o grande auxílio do jogador para vencer os adversários, usando-se de diferentes estratégias que garante força, velocidade, defesa melhorada e camuflagem (invisibilidade) temporária. Com tantas possibilidades ao lado do jogador, Crysis Warhead se torna um jogo muito fácil, a não ser que se selecione a dificuldade máxima para um desafio e diversão maiores. O nível máximo de dificuldade torna, por exemplo, o combate com os inimigos mais equilibrados, já que não podemos saber onde eles estão pelo radar. Com a ajuda de uma refinada inteligência artificial, os inimigos vão se organizar e caçar o jogador, normalmente movendo-se muito discreta e traiçoeiramente. Os alienígenas também receberam atenção especial, estão mais espertos, possuem movimentos bruscos e inesperados, e se aproximam sempre com variedade de número e tamanho – há até algumas batalhas épicas com aliens gigantes.

    Algumas outras adições foram feitas, como é comum em uma expansão, entre elas, dois veículos, um Hovercraft (anfíbio muito versátil para o transporte) e um ASV blindado. Nas armas, temos as novas AY69, uma micro-metralhadora de curto alcance e com altíssima taxa de disparo para literalmente peneirar o inimigo e o FGL40, um lança-granadas automático que pode ser usado também como detonador remoto. Tudo isso é embalado por uma série de batuques de percussão que encaixou muito bem na ação do game, diferenciando assim do arranjo orquestral constante do game anterior.

    A expansão também veio com alguns irritantes bugs já conhecidos, como cair em determinado lugar e ficar travado, morrer porque esbarrou em um barril, ou entrar em um lugar cheio de objetos e morrer – mas mesmo assim Crysis Warhead está bem mais polido que seu antecessor. Infelizmente, o jogo é um tanto curto, bastando, com muita exploração, menos de 8 horas para finalizar a campanha solo. Mas o que compensa é que Warhead pode ser jogado mais de uma vez com diferentes estratégias, caminhos e dificuldades. E para quem enjoar da campanha, há ainda o multiplayer.


    Multiplayer renovado e mais atrativo

    Ao abrir a caixa do game, nos deparamos com 2 DVDs, sendo que um deles é apenas para a instalação do multiplayer, o Crysis Wars. O jogador encontrará novamente o modo Power Struggle, no qual é preciso dominar pontos estratégicos do mapa para liberar recursos como armas e veículos, a fim de destruir o quartel do inimigo. Alguns dos itens deste modo são bastante caros e vão obrigar o jogador a se dedicar por algumas horas. Também está presente o modo Deathmatch (chamado de Instante Action), que permite uma partida intensa com combate imediato em até 32 jogadores sem intervalo para ressuscitar. A principal novidade fica então para um modo de jogo que inexplicavelmente faltava no jogo anterior, o Team Deathmatch que é o combate imediato em equipes.

    Há meia dúzia de mapas novos e alguns deles são estupidamente grandes e repletos de veículos; foram também adicionadas armas exclusivas como o Lançador TAC (dispara um míssil nuclear em miniatura que causa uma grande devastação), Acelerador Molecular (fragmentos de gelo), Dispositivo Aprisionador Molecular (uma versão mais forte do que o anterior); para roubar os veículos do inimigo existe o Destravador Eletrônico, e para consertar os veículos danificados o Maçarico. Apesar do rebalanceamento geral que foi feito no jogo, notamos desequilíbrios entre algumas armas, tornando algumas fracas demais em relação a outras. Ainda assim, o multiplayer está muito divertido e há uma quantidade bem maior de jogadores brasileiros.


    Tentativa certeira

    A Crytek acertou em cheio ao ouvir as críticas e ler as reviews (inclusive a da GB) do primeiro, para então produzir uma expansão que aproveita não apenas tudo o que jogo anterior tinha de melhor, como apresentar um game mais lapidado, intenso e orientado para a ação, um verdadeiro upgrade na franquia. É claro que, como expansão e não um jogo completo, Warhead é curto demais e deixa a sensação nostálgica de: só isso? Mas a grande vantagem é que pode ser jogado mais de uma vez com diferentes táticas, além de um sólido multiplayer com mapas gigantescos, capaz de entreter por meses.

    Considerações finais:
    Esperemos então com muita expectativa a segunda parte da trilogia Crysis, que se for feita nos moldes de Warhead, deverá ter competência suficiente para continuar no topo.Este jogo é muito bom, só para avisar, este jogo ganhou 12.459 votos, contando com o meu Exclamation Tenho este jogo faz pouco tempo, mas de cara você observa o gráfico que é ótimo Exclamation Ele é um dos jogos que vale apena zerar mais de algumas vezes Exclamation

    Atenciosamente Equipe Gamers Online.

      Data/hora atual: Sex Nov 16, 2018 12:56 pm